DA PURIFICAÇÃO MIDIÁTICA

À EXPLlCITAÇÃO ARTÍSTICA:

Os corpos visíveis contemporâneos no limiar da obscenidade

Esta pesquisa focaliza as configurações corporais e subjetivas que se produzem, na sociedade contemporânea, em contato ativo com as imagens e os discursos que nela circulam. Por um lado, os dispositivos midiáticos estimulam o fenômeno conhecido como “culto ao corpo”, um complexo tecido de crenças e práticas cujo cerne é paradoxal.  Investidos pelos rígidos preceitos que integram a atual “moral da boa forma”, esses corpos tão enaltecidos se submetem, com regularidade cotidiana, a uma purificação que visa a convertê-los em imagens lisas e polidas, graças a uma expurgação da carnalidade tendente a valorizar seu “capital juvenil” em termos visuais. Paralelamente a essa tendência hegemônica, porém, no final do século XX e início do XXI, disseminam-se outros tratamentos da condição encorpada, sobretudo no vasto território das artes contemporâneas. Trata-se de um campo fértil e múltiplo, que não carece de contradições e tende a se hibridizar com os meios de comunicação e com os jogos do mercado, mas costuma apresentar outros desdobramentos da corporeidade e da subjetividade, em tensão com aqueles convencionados pela irradiação midiática. O corpo “explícito” que daí emerge rejeita toda idealização ao enfatizar sua espessura e sua consistência carnal, tanto em suas fragilidades como em suas potências, confrontando-se com os ímpetos . padronizadores que hoje “assujeitam” e restringem as vivências corporais. Numa época que se caracteriza pela profusão de espetáculos, por um viver entre-imagens e inclusive por certo devir-imagem, essas propostas talvez sejam capazes de subverter o atual “regime do visível” no que tange às silhuetas humanas, dilatando suas bordas e abrindo frestas capazes de questionar as moralizações que o alicerçam.

 

 

Projeto desenvolvido com apoio do CNPq (Bolsa de Produtividade em Pesquisa, 2012-2015) e da FAPERJ (Jovem Cientista do Nosso Estado, 2013-2016), além do estágio pós-doutoral na Université Paris VIII, da França, com bolsa da CAPES (2012).